Economia apresenta retração em fevereiro, diz monitor do PIB da FGV

Taxas de crescimento de fevereiro são menores do que as divulgadas em janeiro, o que pode significar perda de fôlego da recuperação, diz coordenador.

Por G1

18/04/2018 08h31 Atualizado há 14 minutos

A economia brasileira retraiu em fevereiro, segundo dados do Monitor do PIB-FGV, divulgados pela Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta quarta-feira (18). O PIB retraiu 0,3% em fevereiro, quando comparado ao mês de janeiro, na série com ajuste sazonal.

Para Claudio Considera, coordenador do Monitor do PIB-FGV, as taxas de crescimento de fevereiro são menores do que as divulgadas em janeiro, o que pode significar perda de fôlego da recuperação cíclica.

O Produto Interno Bruto (PIB) é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia.

Na série com ajuste sazonal, no trimestre móvel terminado em fevereiro, a variação foi positiva em 0,6%, em comparação ao trimestre móvel terminado em novembro de 2017.

Desempenho por setores no trimestre

Na comparação com o trimestre terminado em fevereiro de 2017, o PIB foi positivo em 1,7%. Os destaques positivos são o crescimento das atividades de transformação (5,4%) e comércio (4,7%). Em contrapartida, a atividade agropecuária retraiu 1,7%, após 13 meses consecutivos de crescimento. No entanto, à exceção da transformação, todos as demais atividades industriais apresentaram retração. Já no setor de serviços, apenas a administração pública teve queda (-0,1%).

O consumo das famílias apresentou crescimento de 2,5%. Apesar de todos os componentes do consumo das famílias terem apresentado taxas positivas, houve desaceleração do crescimento em comparação com a taxa trimestral móvel finda em janeiro. A exceção foi o consumo de produtos duráveis, que cresceu 12,6% no trimestre findo em fevereiro, e havia crescido 8,9% no trimestre findo em janeiro.

A formação bruta de capital fixo, que mede o quanto as empresas aumentaram os seus bens de capital, ou seja, aqueles bens que servem para produzir outros bens, continua em trajetória ascendente, com crescimento de 4,4%. O desempenho se deve, principalmente, a máquinas e equipamentos, que cresceram 17,2% no período. A construção continua em retração (-1,8%).

A exportação apresentou crescimento de 5,5%. A exportação de produtos agropecuários continua sendo destaque, com crescimento de 39,1%, seguido de bens de capital (37,8%). Em contrapartida, a exportação de produtos da extrativa mineral segue em retração alcançando -21,6%, menor taxa registrada desde o trimestre móvel findo em junho de 2013 (-25,6%), explicada, principalmente pela queda da exportação de minério de ferro.

A importação cresceu 2,8%, com destaque para o desempenho da importação de produtos agropecuários, que recuou 16,4%. De destaque positivo, a importação de serviços cresceu 8,1%.

Prévia do BC mostra crescimento

O chamado Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), considerado uma “prévia” do resultado do PIB, teve alta de 0,09% em fevereiro, na comparação com janeiro, quando foi verificada queda de 0,65% (valor revisado). O percentual foi calculado após ajuste sazonal, uma espécie de “compensação” para comparar períodos diferentes.

Em 2017 a economia cresceu 1% e interrompeu a pior recessão já registrada no país. Para 2018, o mercado financeiro estima uma expansão do PIB de cerca de 2,8%. Entretanto, nas últimas semanas a projeção de analistas para o desempenho da economia no primeiro trimestre tem piorado.

Para o governo, o crescimento em 2018 será um pouco maior, ao redor de 3% em 2018.