Na sexta-feira, barril de Brent foi negociado abaixo dos US$ 70 pela primeira vez desde o começo de abril.

Por Reuters

12/11/2018

Os contratos futuros do petróleo subiam nesta segunda-feira (12), registrando o maior avanço em um mês depois que a Arábia Saudita informou que a Opep e seus parceiros avaliam que a demanda está diminuindo o suficiente para garantir um corte de produção de 1 milhão de barris por dia.

O petróleo Brent subia 0,83 dólar, ou 1,18%, a US$ 71,01 por barril, às 9h05 (horário de Brasília).

O petróleo dos Estados Unidos avançava 0,4 dólar, ou 0,66%, a US$ 60,59 por barril.

Na sexta-feira, o barril de Brent (referência global) foi negociado abaixo dos US$ 70 pela primeira vez desde o começo de abril e acumulou baixa de 20% desde que atingiu máximas em quatro anos no começo de outubro.

A Arábia Saudita, maior exportador de petróleo do mundo, disse no domingo que vai cortar seus embarques em meio milhão de barris por dia em dezembro, devido à menor demanda sazonal.

O ministro de Energia da Arábia Saudita, Khalid al-Falih, disse nesta segunda-feira que a Opep e aliados concordam que a análise técnica mostra a necessidade de reduzir o fornecimento de petróleo no ano que vem em cerca de 1 milhão de barris em relação aos níveis de outubro para evitar um aumento indesejado de oferta.

“Os saldos para 2019 mostram, especialmente na primeira metade do ano, que haverá um excesso global significativo”, disse Olivier Jakob, analista da Petromatrix.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e a Agência Internacional de Energia divulgam seus respectivos relatórios mensais sobre as perspectivas de oferta e demanda de petróleo no final desta semana.