Na comparação com o 3º trimestre de 2017, alta foi de 1,7%, com todos os componentes. apresentando crescimento, à exceção da construção.

Por G1

22/11/2018

A economia brasileira acelerou e registrou crescimento de 1% no terceiro trimestre, na comparação com o segundo trimestre, segundo dados do Monitor do PIB-FGV, divulgados pela Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta quinta-feira (22).

“Esta é a sétima taxa positiva consecutiva desde o fim da recessão. Na comparação com o terceiro trimestre de 2017, na série sem ajuste sazonal, a taxa foi de 1,7%. Nesta comparação, todos os componentes do PIB, tanto pela ótica da oferta quanto pela ótica da demanda, apresentaram resultados positivos, à exceção da construção”, destaca a FGV.

Somente em setembro, o PIB teve alta de 0,4%, na comparação com agosto.

O resultado oficial do PIB do 3º trimestre será divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no dia 30 de novembro.

O Produto Interno Bruto é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia. Em 2017, o PIB teve uma alta de 1%, após dois anos consecutivos de retração. No 1º trimestre, o crescimento foi de 0,1%, e no 2º trimestre, de 0,2%.

Segundo a FGV, os investimentos medidos pela Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) apresentou a maior taxa de crescimento (7,7%) desde setembro de 2013, na comparação anual. “Este resultado se deve principalmente ao crescimento de máquinas e equipamentos (22,8%) em razão da incorporação das plataformas de petróleo no cálculo”, destaca o estudo.

O consumo das famílias manteve a trajetória de recuperação, com alta de 1,7% na comparação com o mesmo trimestre do ano passado, com destaque para o consumo de bens duráveis (6,3%) e de serviços (2,0%).

Com as revisões definitivas sobre o resultado do PIB de 2016, que foi revisado pelo IBGE de -3,5% para -3,3%, o Monitor do PIB da FGV passou a estimar a variação do PIB de 2017 em 1,1%, ante alta anterior de 1%.