Após chegar a 95.862 pontos e subir 1,5%, o Ibovespa perdeu um pouco força na reta final do último pregão de março (29/03), mas ainda fechou em alta com o mercado repercutindo os sinais de trégua política entre o presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara Rodrigo Maia.

Neste cenário, o Ibovespa obteve alta de 1,09%, aos 95.415 pontos, encerrando a semana com ganhos acumulados de 1,79%. Apesar desta recuperação, o índice não conseguiu evitar uma leve queda de 0,18% em março, mas conseguiu alta de 8,57% no primeiro trimestre do ano. O volume financeiro neste pregão ficou em R$ 15,243 bilhões. O Fundo de Investimentos em Ações Amaril Franklin, seguiu o mesmo caminho do mercado e encerra o mês entregando 0,94% de queda, mas ainda mantém ganhos de 6,45% em 2019.

Já o dólar comercial, zerou as perdas na reta final do pregão e fechou com leve recuo de 0,05%, cotado a R$ 3,9154 na venda. Em março a moeda teve valorização de 1,03%, ao passo que no acumulado do primeiro trimestre a alta ficou em 4,31%. O dólar futuro com vencimento em maio subiu 0,42% hoje, a R$ 3,927.

Os principais contratos de juros futuros, por sua vez, registraram alta: o com vencimento em janeiro de 2021 teve alta de 4 pontos-base, a 7,13%, enquanto o de vencimento em 2023 subiu 3 pontos-base, para 8,22%.