Para o PIB do Brasil, previsão de crescimento foi reduzida para 0,8% em 2019 e para 1,7% em 2020.

Por G1

19/09/2019

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) reduziu de maneira considerável as previsões de crescimento da economia mundial, passando a projetar um crescimento de 2,9% em 2019 e 3% em 2020, após uma expansão de 3,6% em 2018.

Segundo a OCDE, confirmadas as previsões, serão as taxas de crescimento anua mais fracas desde a crise financeira de 2008/2009.

Em maio, a organização projetava um crescimento de 3,2% para a economia global em 2019 e de 3,4% em 2020.

Entre os motivos para a desaceleração global e piora das expectativas, a OCDE cita o crescimento da incerteza provocada pelo Brexit, pela guerra comercial e pelo maior endividamento privado.

Aos olhos da OCDE, as ameaças continuam pairando sobre o conjunto das principais economias mundiais, como a zona do euro e sobretudo os grandes países emergentes que sofrem com a desaceleração na China por causa da queda das exportações de matérias-primas.

Projeções para o Brasil

Para o Brasil, a previsão de crescimento do (Produto Interno Bruto) em 2019 foi reduzida de 1,4% para 0,8%, um pouco abaixo das projeções dos analistas do mercado brasileiro. Para 2020, a previsão da OCDE para a expansão da economia brasileira foi revisada de 2,3% para 1,7%.

Outros países

A Alemanha, primeira economia do bloco europeu, teve as revisões mais fortes, com crescimento esperado de 0,5% este ano (ante 0,7% na estimativa anterior) e pouco melhor para o ano que vem, com 0,6%, menos metade do que as últimas previsões de maio.

A França continua com crescimento de 1,3% em 2019 (sem mudanças) e 1,2% em 2020 (menos 0,1%).

A economia britânica, em plena incerteza sobre o Brexit, só deve crescer 1% (ante 1,2% na estimativa anterior). Para 2020, a previsão é de 0,9%.

Os Estados Unidos, que conhecem um dos ciclos de crescimento mais longos de sua história, devem desacelerar para 2,4% este ano (ante 2,8% na estimativa anterior) e para 2% em 2020.

A economia da China deve crescer 6,1% em 2019 (ante 6,2% na estimativa anterior. Para 2020, a previsão é de avanço de 5,7%.

A situação mais crítica é da Argentina, em pleno tumulto econômico e financeiro, que deve conhecer uma retração de 2,7% de seu PIB, além de um recuo de 1,8% em 2020.