No confronto com maio de 2018, entretanto (mês da greve dos caminhoneiros), houve alta de 7,1%. No ano, setor acumula queda de 0,7%.

Por G1

02/07/2019

A produção industrial brasileira registrou em maio uma queda de 0,2%, na comparação com abril, segundo divulgou nesta terça-feira (2) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Trata-se da 3º queda mensal no ano. Com o resultado, o setor acumula perda de 0,7% nos cinco primeiros meses de 2019.

No confronto com maio de 2018 (mês da greve dos caminhoneiros), entretanto, houve alta de 7,1%.

“O acumulado dos últimos 12 meses, ao passar de -1,1% em abril para 0,0% em maio, interrompeu a trajetória descendente iniciada em julho de 2018 (3,3%)”, destacou o IBGE.

Segundo o IBGE, 18 dos 26 ramos pesquisados apresentam queda em maio, com destaque para o recuo de 2,4% em veículos automotores, reboques e carroceria, bebidas (-3,5%) e couro, artigos para viagem e calçados (-7,1%).

De acordo com o gerente da pesquisa, André Macedo, a indústria extrativa foi o principal impacto positivo no mês. Com crescimento de 9,2% na produção, o resultado interrompeu uma sequência de quatro quedas seguidas.

Economia estagnada

Os indicadores de maio já divulgados continuaram a mostrar uma cenário de economia fraca, após uma queda de 0,2% do Produto Interno Bruto (PIB) no 1º trimestre, em meio a um cenário de baixa confiança de empresários e consumidores, elevada ociosidade e uma taxa de desemprego que ainda atinge 13 milhões de brasileiros.

Na semana passada, o Ministério da Economia divulgou que foram criados 32.140 empregos com carteira assinada no país em maio, o pior resultado para o mês desde 2016, quando houve fechamento de vagas. No acumulado no ano, foram gerados até maio 351.063 postos formais de trabalho.

Ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) mostrou que o Banco Central não descarta a possibilidade de uma nova recessão. O BC destacou que a economia brasileira segue operando com “alto nível de ociosidade dos fatores de produção, refletido nos baixos índices de utilização da capacidade da indústria e, principalmente, na taxa de desemprego”.

Já os economistas das instituições financeiras baixaram na última semana a estimativa de alta do PIB deste ano para 0,85%, segundo a pesquisa Focus do BC. Foi a 18ª queda consecutiva do indicador. O BC, por sua vez, reduziu para 0,8% a previsão para o crescimento da economia brasileira em 2019.